terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Nova prestação das "Odes a Maximin"


"Eu contive o nome do meu amor e o repetia sozinha, calada.
Como anseio por espaços abertos onde o possa ouvir gritado."
--- ‘Ulayya bint al-Mahdī (777-825), poeta e princesa do Califado Abássida.

Escondo de todos teu nome, Maximin,
tal ‘Ulayya bint al-Mahdī, proibida
de dizer o nome de Ṭall, o khādim
que amava, silenciou do al-Baqarah,
em leitura, um verso que continha
a palavra. Onde está o generoso califa
que ao ouvir sobre tal zelo de beata
profana, a ‘Ulayya doou o seu khādim?
Quem há-de me conceder Maximin
por esta minha concupiscência calada
mas, em permuta, fazendo de mim
o servo e de Maximin, príncipe abássida?


Ricardo Domeneck, Berlim, 26 de janeiro de 2015, inédito para as Odes a Maximin.

.
.
.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog