Rocirda Demencock

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Ouçam "Muddy Waters", dos meus queridos Markus Nikolaus & Louis McGuire (o duo berlinense Us)


Markus Nikolaus & Louis McGuire

Markus Nikolaus e Louis McGuire são dois dos meus mais queridos e próximos amigos nestes dois últimos anos de Berlimbo. Já falei muito sobre Markus aqui, e preparei uma postagem também sobre o trabalho sonoro de Louis na Modo de Usar & Co..

No melhor espírito berlinense, onde ser amigo significa colaborar e criar juntos, Markus e Louis vêm compondo juntos há algum tempo, e, assinando agora como o duo Us – lançam seu primeiro single,  intitulado Muddy Waters, pelo selo dirigido por Julien Bracht em Frankfurt, Trust. Julien foi ainda responsável pelos dois remixes.

Ouçam meus dois queridos, Markus idolatrado salve salve e o ruivo zen Louis, com suas águas cristalinamente lamacentas.

O nome do duo vem do fato de já colaborarem com Maayan Nidam no trio The Waves & Us. Como Maayan se apresenta sozinha como The Waves, os dois decidiram que juntos seriam o Us. Muito carinho para todos os envolvidos.




.
.
.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Ler é uma duração tamanha

Muita coisa incomoda na carne que começa a afrouxar-se aqui e ali, no cabelo que vai se embranquecendo. Mas há uma coisa que deviam ter-me dito sobre a idade: que eu leria, um dia, pela primeira vez, aquilo que já havia lido centenas de vezes antes. Deveria dizer: ler "como se" pela primeira vez, mas isso não faz jus à coisexperiência. E aquilo que parecia até mesmo ter perdido o lustro por ter-se tentado acender tantas vezes, e críamos ter entendido, e o tínhamos, mas não compreendido, de repente se ilumina imenso. Ler é uma duração tamanha. Quantos dias dura ler "Tudo no mundo começou com um sim"? Quantos dias dura ler "É cuidar que se ganha em se perder"? E jamais esquecer: é bom, não quer o mal. "Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta."


Berlim, 25 de agosto (mês de desgosto) de 2014.

.
.
.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Poetry: USA - Frank O'Hara (1966)

USA: POETRY, FRANK O'HARA (1966) 16mm, 15 minutes, dir. Richard O. Moore (courtesy Thirteen/WNET New York, Richard O. Moore and the Estate of Frank O'Hara).

.
.
.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Poema recente de William Zeytounlian


passado

o que assoviar
quando se esquece
a última das
canções?

a aposta
absurda foi
para que não
precisássemos
mais delas

nesse ínterim,
pensar sobre
os rumos
da poesia
enquanto há
sem-teto
expatriados
ruínas
famintos
e nosso passado
e seus mortos
e nós, envergonhados de nossa responsabilidade sobre ele
e nós, envergonhados por não assumirmos nossa responsabilidade sobre ele
e nós, envergonhados de nossa vergonha,
incapazes de sentir a vergonha,
incapazes de vergonha
incapazes de qualquer capacidade
incapazes até de incapacidade
e envergonhados por isso,

enquanto se projeta o passado como uma sombra sob nossos pés
enquanto ele se estende interminável até perder-se de vista
olhamos para o passado como para uma sombra
mas nos enganamos
ele é uma sombra,
mas olhamos para ele como para um deserto
e ele é, de fato, um deserto
era,
é,
e no fundo inimaginável deste deserto a perder de vista
se aproxima a ideia de um inimigo
um inimigo a encarar
inimigo afrontável
um inimigo que é maior que qualquer inimigo, pois é gigantescamente ideia
uma ideia amiga sobre a qual nos enganamos
ideia amiga que tomamos por inimiga pois nos afronta
e nos envergonha

essa ideia:
nossa amiga

enquanto
procuramos
dinheiro e
trabalhamos
por comida.



São Paulo, 1988.

.
.
.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Burocracia no céu ou senso de humor no inferno?





Domeneck & Nikolaus - "Heaven Burocracy" (2014)

maybe heaven burocracy
or sense of humor in hell
that I was meant for you
but you for someone else

maybe the postman mixed
or confused our addresses
in the end we got drafted
to these opposite trenches

maybe this entire time
you were a double agent
or your loyalty wavered
left me on the loser side

.
.
.


sábado, 9 de agosto de 2014

Dois poemas da série "Odes a Maximin"

Há cerca de um mês, a revista lisboeta Enfermaria 6 publicou o primeiro texto da minha série "Odes a Maximin". Ontem, a carioca Confraria Do Vento publica em seu blogue o segundo. 

Agradeço muito a Ronaldo Ferrito pelo convite. Ele incluiu ainda uma nota (e foto do divino rapaz), explicando quem foi o Maximin histórico, que uso para ligar meu texto em arco a uma tradição específica. A da "Musa Puerilis" e do velho "culto a Antínoo". Mas gostaria de deixar claro que "Maximin" é uma máscara - para alguém que está vivinho da silva aqui em Berlim. Não, não é O Moço. (Até que enfim).

Abaixo, reproduzo os dois poemas, mas convido todos a visitarem as revistas.

:

ODES A MAXIMIN 

Ora
cansei-me d´O Moço,
há o tempo de bajular
e o tempo de escurraçar
os fantasmas
dos natais passados
para permitir-me
deixar-me encurralar
por outros
e dessarte inicio
esta celebração
do bendito
menino filantropo
que passo a chamar
de Maximin.

§

Texto para o menino que por vezes me visita, quando se cansa de meninas, e que doravante chamarei de Maximin, como se este fosse o último bilhete de Heliogábalo a Hierócles


Como o sol que incha e cresce,
Maximin,
é tua a pujança, o tônus e a tesura.
Quem-me-dera pudesse dar-te
todos os dias
o que é digno de tua condição
cesariana, ou fosse eu a carruagem
conduzida por tua potência
equina, oxalá
eu o cavalo que montas
com maestria, charioteer,
eu, tua cheerleader, que vivo
da caridade do teu epidídimo,
ora deixa-me
descansar o pescoço
extenuado sobre teu corpo
esponjoso, meu cabelo
confundindo-se com teus parcos
pelos púbicos, já quase públicos,
Maximin, tanta é a segurança
com que te exibes no mercado
e na ágora, maximiza-me
em tua perene intermitência,
diariza tuas doações
tão fluidas sobre meu rosto,
je vien, tu viens,
então vem e quebra
com teus sucos
meu jejum, Maximin,
minimiza minha idade,
mexe-me contigo em mim,
tantas são, miríade,
as posições possíveis
entre cavalgadura
e montaria, Maximin,
machuca-me
à prostrada, naquele pontículo
entre delícia e cicatriz,
pois os cães pretorianos
já se aproximam
para arrastar-me aos gritos
desse trono que usurpo
quando te cansas do vúlveo
e escalamos a torre de marfim,
mas ainda assim trono
onde se crê que alguma menina
melhor sentaria,
Maximin, e já sabemos
qual será nosso fim.

§

Texto em que o poeta quer deitar Maximin num diwan e cantá-lo feito um místico árabe, quando então se lembra da ascendência do divino rapaz

Filho de berberes e alemães
graças à fuzarca abençoada
de corpos após a Queda
do Muro, me disseste
que foste o mais perfeito
bebê da maternidade
de tua mãe, a generosa.
Eu creio e sou devoto.
Não sei se necessário
um começo perfeito
para teu óbvio sucesso,
agora, no pleito.
Seria prudente comparar-te,
seguindo a antiga arte
dos meus colegas árabes,
tal Muhammad al-Nawaji
ou meu caro Abunuwasi,
e afirmar de gazela
as tuas pernas
tão firmes, estáveis?
Seria cometer uma gafe
etnográfica, se entoasse
em cantares dos cantares,
tal um árabe, a tua púbere
belezura berbere?
Tudo o que sei
é que, se não vens,
sou um mero magrelo
a atravessar feito camelo
o Magrebe.
Maximin, ademais,
nos ademanes
da minha nomenclatura
mais que científica
dos corpos do teu gênero,
dividindo rapazes
entre touros, leões e cavalos,
sempre te considero espécime
ideal das pujanças taurinas,
teu torso e teus ombros
que seriam edredão fácil
de tão largo
ainda que não mui macio,
sobre todo o meu corpo
raquítico e geriátrico,
como esses teus membros
de tronco de carvalho
que frequente
me deixam em estado
de Salix babylonica.
Tua inteligência de cão
de rua, a forma das mãos
com que nos manipulas
fácil pela lente do desejo
que distorce tudo, fazem-te
mais perigoso que o coice
de cavalo, a garra do leão
e todos os chifres de touro,
como este que carregas
nas tuas calças
largas de skatista.
És um tanto sádico.
Maximin, queria beber
apenas uma vez mais
teu suor e saliva e sêmen
de berbere
escorrendo de tua pele
de bebê.
Quando? Onde?
Ainda não te cansaste
daquela caverna escura?
Escalemos o pico nevado.
Vamos comer sushi
diante de um Fuji
falsificado de Hokusai
nos restaurantes
dos imigrantes
dessa tua cidade.
Sou meteco,
não grego,
são esparsos
os meus privilégios
e minhas bulbouretrais
já se cansam do estado,
como em Kanagawa,
das grandes ondas.
Devo gritar dos telhados
in a barbaric yawp
teu verdadeiro nome?
Confesso que ainda
não ouso a entrega
ao mundo de tua alcunha
oficial de batismo,
apenas este, Maximin,
pois temo tua concubina,
essa ninfeta com sangue
de valquíria, os genes
de nibelungos, o gênio
de Wagner.

.
.
.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Elogio do pai



Este não será ainda o texto que eu hei-de dedicar ao senhor, João Domeneck. Eu ainda estranho a morte do senhor, a morte do senhor é uma notícia sem corpo, uma mensagem sem voz, aqui deste lado do Charco que eles chamam de Atlântico. Mas é a notícia que faz da nossa ausência mútua algo mais escuro. Quantos caracteres, quantos signos foram necessários para anunciar a morte do senhor? Tão poucos. Mas quantos dariam conta da enormidade dessa novidade absurda? Ao mensageiro que lhe trouxe a notícia da morte de Saul, Davi caiu-se por sobre ele com a espada. Mas a mensageira era minha irmã, João Domeneck, aquela que o senhor criou como se fosse sua. E o era menos, por não ter saído das suas coxas?

Duas décadas depois de ter deixado a casa do senhor e da mãe, é como se cada dia devesse ter sido um preparo para estes, imediatamente posteriores à morte do senhor, mas nunca são. Que frase louca me veio à cabeça agora, João Domeneck, “a morte nunca é sã.” O senhor riria? Meus irmãos têm todos feito suas homenagens, expressado o descorçoo da perda, e sinto essa voz acusatória, dirigindo-se não a mim, mas ao senhor, “E o teu filho metido a escritor, João Domeneck, não vai dizer nada, não vai abrir aquela bocarra cheia de opiniões?” Me deixem quieto no meu canto, sobre a morte do senhor eu não tenho opinião, só susto. É, este não será ainda o texto que eu hei-de dedicar ao senhor, João Domeneck. Este é apenas o primeiro registro do susto.

Eu me lembro da morte da mãe do senhor, aquela italianona ruiva do Molise, aquela avó de coração de romã, numa véspera de véspera de Natal, e a sua viagem à sua cidade natal, ao velho cemitério de Taiaçú, no interior do interior de São Paulo, para buscar os ossos do pai do senhor, que também se chamava João Domeneck, não, não se chamava João Domeneck, é hora de corrigir os erros de imigração, da nossa imigração, o pai do senhor, João Domeneck, chamava-se Joan Domènech, eu sei. Ou, como o senhor sempre se lembrava, o Jão Catalão, como era chamado pelos brasileiros, o povo da terra que escolheu, os sitiantes vizinhos, antes de morrer, quando o senhor tinha apenas 12 anos e teve então que cuidar de mãe e irmão menor. Naquele natal, após enterrar sua mãe italiana e colocar sobre o caixão dela os ossos do seu pai catalão, o almoço foi uma coisa silenciosa, pesada e chuvosa, e eu me lembro de ficar observando-o ali, cabeça da mesa, calado, inescrutável como sempre fora, me perguntando: “O que está passando pela cabeça desse homem, meu Deus?” Hoje, todo lido e viajado, moleque metido a besta – como o senhor diria, eu poderia vir com citações sublimes, dizer que por sua cabeça passava uma lamentação identificável por qualquer homem e mulher e cabra carcomidos pelo sal do Mediterrâneo, mas o que sabia eu naquele tempo? E o que sei eu hoje?

Será que o senhor algum dia leu um dos meus poemas? Não sei, João Domeneck, e peço já perdão por não ser Drummond algum, é pouco provável que eu um dia possa dedicar ao senhor e à sua mesa, que o senhor sempre manteve cheia, abastada, com fartura de tudo (ainda que não faltassem as admoestações a que não acabássemos com o iogurte em um só dia, e que não se come só mistura), algum poema como “A Mesa.” Com a filiação agora pela metade, resta essa senhora cansada, trabalhadora, com os cabelos que já nem mais perde tempo em tingir, e essa minha vontade de poder fazer como Drummond, apenas “pedir à mãe que cosa, / mais do que nossa camisa, / nossa alma frouxa, rasgada.”

Não era sempre fácil, pai, e note que só agora, neste parágrafo, dirijo-me ao senhor assim, João Domeneck. Como se aprende a ser o filho obediente e honrar pai e mãe quando se discorda de tanta coisa no campo político, religioso, e nessa mistura louca dos dois em nossa República? Como se aprende a ser o filho que nem sequer pior que a encomenda saiu, mas cresceu com aquela sensação de ter sido entregue com defeito de fábrica? E nós nunca tivemos essa conversa, João Domeneck, nunca falamos abertamente disso, pai. Não pude jamais contar ao senhor quem eu realmente era, a quem amava, e quando as dores dos pés na bunda vieram, nunca chorei no seu ombro. Havia um acordo tácito, um pacto de silêncio, mas nutrido por aquela certeza, agora eu sei, agora, neste susto grande, de que o amor fala muito alto, o amor tem garganta de ouro (piscadela, aqui, a meus irmãos, que entenderão a citação), o amor cala bispos e senadores, cala tudo o que não vem da terra, e o que vem da terra é uma compreensão total entre tudo o que ama, sofre e morre, mas sobretudo morre, como diria aquele outro católico, Miguel de Unamuno, que o senhor teria certamente aprovado, da mesma forma como se pôs sorridente quando me flagrou lendo Santo Agostinho e suas Confissões. Mas não disse nada.

Não, aquela conversa não houve, e sabemos que a História tem uma preferência obsessiva por tudo o que houve, e o que não houve é relegado aos casos de memória curta das famílias. E isso nos serve bem, pois éramos e somos gente pequena. E a gente pequena é aquela dos segredos inconfessáveis, que vão sendo comunicados num estranho tipo de morse, como um agitar de bandeiras ao alto e abaixo entre dois barcos de papel numa poça d'água, evitando a língua, da mesma forma como não se põe colher de boca no doce, para não azedar o pudim. Lição que aprendi com o senhor, que no entanto até do leite que coalhava sabia aproveitar para a fartura da mesa.

Não, este não foi, é ou será ainda o texto que eu hei-de dedicar ao senhor, João Domeneck. Mas tendo-o chamado de “elogio” no título, cabe-me agora dizer ao senhor que busquei, sim, um elogio nestes últimos dias, não o do gênero literário, mas como compreendemos a palavra no interior, e posso dizer a todos, ao aproximar-me do final deste texto, isto: que foi com o senhor e a mãe, quando eu ainda era muito criança, que aprendi o que significava a palavra “cafuné.” E não creio que se possa fazer maior elogio a um pai e mãe.

Quanta gente morreu este ano, das causas que têm sido as causas pelos séculos dos séculos, velhice, doença e guerra, pai, muita guerra. Não faz uma semana que descrevi este 2014 como um “ano de perdas irreparáveis” ao falar da morte de outro artista que respeitava, porque têm morrido muitos, pai, da profissão desse filho – metido a besta – do senhor. Só não esperava que o ano me faria pagar tão caro pelo uso daquele adjetivo.

R.I.P. João Domeneck Filho (1932 – 2014).


.
.
.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

A Tradição do Landay: poesia feminina afegã


A escritora Eliza Griswold e o fotógrafo Seamus Murphy viajaram ao Afeganistão em busca da tradição do landay, uma forma poética milenar da língua pachto (também conhecida simplesmente como afegão ou afegane), composta tradicionalmente por mulheres. Os landays são dísticos de lírica amorosa, mas também satíricos, que têm sido uma das formas de resistência das mulheres afegãs há séculos. Cada verso tem tradicionalmente 11 sílabas. Uma tentativa de tradução, a partir das versões para o inglês no filme acima:

Você é como a América, meu querido.
Ainda que sua a culpa, é meu o castigo.

§

No pomar, eu quero beijar você. Mas, sem barulho!
Os outros pensarão que há bodes presos no arbusto.


§

Poderia provar até a morte, se provasse a tua língua
Enquanto o via tomar sorvete, ambos crianças ainda.

A tradição tem sido perseguida no Afeganistão. Por ser tradicionalmente ligada à lírica amorosa, os fanáticos religiosos proíbem que mulheres componham seus landays, por acreditarem que eles denotam uma vida licenciosa. Mas a tradição sobrevive. A próxima vez que algum demente falar sobre a "crise e inutilidade da poesia", faça um favor ao demente: envie a ele ou ela este vídeo.



Foto de Seamus Murphy, do livro 
I am the beggar of the world: Landays from Contemporary Afghanistan.



.
.
.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

"Assombração Urbana" : documentário sobre Roberto Piva (1937 - 2010)

Assombração Urbana, documentário sobre Roberto Piva (1937 - 2010), 
dirigido por Valesca Canabarro Dios.

.
.
.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Novíssima peça sonora: "Animal sentinels" (2014) - Domeneck & Nikolaus



Markus veio aqui pra casa e passamos a tarde de sexta-feira trabalhando nessa peça. Louis apareceu com cervejas e preparou umas batidas adicionais.

 
Domeneck & Nikolaus - "Animal sentinels" 2014). 
Text by Ricardo Domeneck. Music by Markus Nikolaus. Additional beats by Louis McGuire.


Animal sentinels

We will send the canaries in first.
The canaries will guide us in the dark.
Send in the canaries

There shall be time to evacuate Hoboken
There shall be time to shield Alphabet City
There shall be time to alert the population of New Orleans

We will send the canaries in first
The canaries will lead the way in the cold
Send in the canaries

There shall be time to evacuate Camden
There shall be time to shield Amsterdam
There shall be time to alert the population of New Delhi

We will send the canaries in first.
The canaries will show us the dangers ahead.
Send in the canaries

There shall be time to evacuate Copacabana
There shall be time to shield Tokyo
There shall be time to alert the population of New Providence

But the canaries have been so quiet
The canaries havent moved
For a long time

If there are any canaries left
Send in the canaries

.
.
.

Arquivo do blog