Rocirda Demencock

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Texto em que o poeta deixa de fingir dores que deveras sente e passa a folclorizá-las, em pleno México, no trigésimo aniversário d'O Moço


Moço,
hoje você completa
trinta anos. Tem a idade
de uma guerra
que acaba. Ontem,
em Coyoacán,
na casa de Rivera e Kahlo,
quisera dizer a você:
tal um árabe: Ya'aburnee.
Mas já estou morto
e enterrado.
Encontro-me onde
me perco, nesse bairro
que tem por nome
“lugar de lobos”,
Moço, lobos.
Eis-me no México,
todo barroco,
rememorando destroços.
Pensei no poema
de Mayröcker,
“Wolf wie ein Wolf”,
e também cá estou,
lobo como um lobo,
corcunda em Coyoacán,
“peso peludo suspenso”.
Eros homini lupus est.
Sobre a mesa: Sor Juana,
café e os cigarros.
No peito, o mesmo pigarro,
a mesma noz na garganta.
Há guerras que acabam,
outras que duram tanto,
como aquela de cem anos,
e creio que eu também, fiel
a um código anacrônico
de honra, caí em Agincourt,
numa saraivada de flechas.
Virá um João D´Arc
garantir minha vitória?
Faça o favor, alguém
espanque ou achincalhe
esse cupido puto.
Ele merece há séculos
uma boa surra.
Sor Juana sussurra
“sólo los celos ignoran
fábricas de fingimientos”
Cansei-me de fingir dores,
Moço, sinta-as ou não de feras,
agora quero folclorizá-las.
De poncho, canto
como Los Panchos:
"Lo dudo, lo dudo..."
É mais um exemplo
dos meus excessos,
que tanto o molestam,
quando hoje bastaria
um Feliz Aniversário.
Então, retrato-me
do poema acima
e digo apenas:
Feliz aniversário.
Espero que o outro
o tome hoje
nos braços
com amor redobrado.
Esse mesmo,
que com ele
comparto.

§

Cidade do México, 17 de outubro de 2014.

.
.
.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Nova colaboração com Markus Nikolaus - "The Barbarian Invasions"


Domeneck & Nikolaus - "The Barbarian Invasions"

Text & voice: Ricardo Domeneck / Music: Markus Nikolaus

The barbarian invasions

inhabitant of your
hair a structure
of smells and voice
a skin of one´s own
like a membrane
admitting no
osmosis no traffic
open and close
your hands fingers
as your most expensive
travelling equipment
your mouth moisture
the only liquid allowed
past airport security

species genus family
order class phylum
kingdom domain
father
not in heaven plays
the census of gender
according to method
of reproduction
mother
like a virgin plays
the large machinery
producing milk & other
secretive secretions
both perform
the monthly
waste of fluids
erecting a wall
of china for dinner

as birthright a syntax
to obey & a dictionary
to quote
from all said and done
if a border is the largest
organ of a country
migrate with migraine
nomadic in oblivion
for the manifold
stations of distance

the place you left
ends as the finish
line of the race
for your body
displacement
cross an ocean
in search
of the miraculous”
from ex-pariah
to expatriate
in the high culture
& haute couture
of new centripetal masters

watch the orgy of hosts
and guests and say: “far
from me
to interfere with the interior
design of your wholly
homogeneous country”

still the only
travel guide: leave
and lose door
keys and the house
all names and the lovers
attached to the names
a city a river a familiar
arrangement of trees

design build remodel
your cave your castle
a shell a solace bunker
with the skin you shed
with the hair you seed
and grow and reap
from your body
no exile is feasible
pack your bones
and leave home
with the attitude
of the first visigoth
at the gates of rome

.
.
.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Khunashtar-ool Oorzhak (1932 - 1993)



Khunashtar-ool Oorzhak foi um khoomeizhi de Tuva, nascido na vila de Mungash-Ak em 1932. Um  khoomeizhi é um artista vocal do khoomei, um dos estilos e práticas do canto gutural de Tuva. A cena acima foi extraída de um documentário de Werner Herzog, bells from the deep: faith and superstition in russia (1993).

Agradeço a Eduardo Sterzi, que postou o vídeo nas redes sociais.
.
.
.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Contando os dias


1884 anos atrás, num dia deste mês de outubro, Antínoo há-de afogar-se no Nilo.
1854 anos depois, num dia deste mês de outubro, O Moço há-de nascer.

:

ou

:

1884 anos atrás,
num dia
(como outro qualquer)
deste mês de outubro,
Antínoo
há-de morrer
entre as margens
do Nilo.

1854 anos depois,
num dia
(como outro qualquer)
deste mês de outubro,
O Moço
há-de nascer
às margens
do Reno.

:

ou

:

Antínoo morreu hoje.
Começo a contar os 677,176 dias até o nascimento d´O Moço.

:

ou

:

Estou em Paris. Hoje é 14 de julho de 1789 e fazem muito barulho fora da janela de minha cama. Suo só. Quero apenas dormir. O Moço ainda não nasceu.

:

ou

:

Depositei hoje flores às margens do Reno. Fiz uma oração por Antínoo, a um Deus que ele não adorou.

:

ou

:

Soube que um substituto meu tornou oficial a religião dos escravos. Desaprovam as lindas estátuas de Antínoo. Quereria morrer no Nilo, mas espero às margens do Reno.

:

ou

:

Antínoo é morto. O Moço ainda não nasceu. Minha mulher queixa-se de minhas lamúrias pelos cantos. Ela chama-se Sabina. Raptem-na, por favor.

:

ou

:

___ Eclodiu a Guerra!
___ Onde?! Não façam crateras onde há-de nascer O Moço!

:

ou

:


Houvesse nascido às margens do Reno quando Antínoo ainda não singrara pelo Nilo, teria eu chamado O Moço de bárbaro? Não. Sob minhas tetas de loba, substituiria a Rômulo e Remo.



.
.
.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

São Paulo, sexta, 26/09




Na IV edição do SARAU DOS HUSSARDOS, nesta sexta-feira - dia 26 de setembro, os editores convidados são Marília Garcia e euzinho.

Leitura e conversa, e ainda dos colaboradores da Modo:

Fabiano Calixto
Dirceu Villa
William Zeytounlian
Fabiana Faleiros
Victor Heringer
Reuben Da Cunha Rocha

Apresentação vocal: Sandra Ximenez (Axial)

O SARAU DOS HUSSARDOS, organizado pelos editores Vanderley Mendonça (Selo Demônio Negro) e Eduardo Lacerda (Editora Patuá), no Hussardos Clube Literário, reúne poetas, prosadores, editores, artistas e interessados em literatura para leituras e apresentações, encontros, perfomances, debates e cerveja para promover o encontro entre os diversos agentes da cadeia do livro, possibilitar acesso à publicação e pôr frente a frente escritores iniciantes e editores que têm protagonizado as novas tendências do mercado editorial brasileiro.

.
.
.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

THE WAVES & US - "With Any Future" (Wolf + Lamb Records, 2014)

The Waves & Us
(Markus Nikolaus, Maayan Nidam and Louis McGuire)

Sai hoje em Nova Iorque o primeiro lançamento do trio THE WAVES & US, do meu amigo e colaborador idolatrado Markus Nikolaus salve salve, com Maayan Nidam e meu mestre zen Louis McGuire. Deem uma olhada, ouçam, espalhem.

THE WAVES & US - "With Any Future" (Wolf + Lamb Records, 2014)

.
.
.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

O Festival Artes Vertentes 2014 começa na sexta: um convite ao poetariado




Queridos, segue aqui um convite ao poetariado, especialmente aos mais jovens que ainda têm energia para aventurices. Começa na sexta-feira, 12 de setembro em Tiradentes - MG, o Festival Artes Vertentes 2014. Eu fiz a curadoria de literatura, e me considero o primeiro e mais sortudo por poder passar 10 dias na cidade mineira com autores do naipe de Leonardo FróesHarryette Mullen e Ricardo Aleixo, além de gente que admiro dentro da minha geração e da novíssima, como Reuben Da Cunha RochaMatilde CampilhoAndriy LyubkaEduard Escoffet e Paula Abramo. Lançaremos uma antologia com textos de todos eles.


Se você mora em BH ou outra cidade mineira, ou está em qualquer outra cidade, livre e podendo viajar, eu realmente acho uma oportunidade muito legal para conviver com alguns poetas muito ótimos. Venha ver as leituras e performances (que são gratuitas), tomar um café conosco, conviver. Cada vez mais considero isso essencial. Não estou querendo apenas ibope pro festival, acho apenas uma coisa boa, especialmente para os poetas mais jovens.

Durma no carro, acampe. 

Se alguém estiver a fim, mas com dificuldades, me mande uma mensagem particular e eu vejo se posso ajudar de alguma maneira.

Infelizmente, apenas 2 poetas ficam no Brasil um pouco mais de tempo, Matilde e Andriy, portanto tentarei organizar algo pequeno com eles no Rio.


.
.
.

domingo, 7 de setembro de 2014

Alguns poemas baianos

Tendo acabado de passar uma linda semana em Salvador, onde ministrei uma oficina na Fundação Cultural do Estado da Bahia, fiz uma fala na Universidade Federal da Bahia e conheci pessoas adoráveis, faço minha homenagem à terra da primeira Capital do país com uma pequena seleção de meus poemas favoritos de poetas baianos. 

§

António Vieira (1608 - 1697)

Sermão da Sexagésima (excerto)


Mas ainda a do semeador do nosso Evangelho não foi a maior. A maior é a que se tem experimentado na seara aonde eu fui, e para onde venho. Tudo o que aqui padeceu o trigo, padeceram lá os semeadores. Se bem advertirdes, houve aqui trigo mirrado, trigo afogado, trigo comido e trigo pisado. Trigo mirrado: Natum aruit, quia non habebat humorem; trigo afogado: Exortae spinae suffocaverunt illud; trigo comido: Volucres caeli comederunt illud; trigo pisado: Conculcutum est. Tudo isto padeceram os semeadores evangélicos da missão do Maranhão de doze anos a esta parte. Houve missionários afogados, porque uns se afogaram na boca do grande rio das Amazonas; houve missionários comidos, porque a outros comeram os bárbaros na ilha dos Aroãs; houve missionários mirrados, porque tais tornaram os da jornada dos Tocatins, mirrados da fome e da doença, onde tal houve, que andando vinte e dois dias perdido nas brenhas matou somente a sede com o orvalho que lambia das folhas. Vede se lhe quadra bem o Notum aruit, quia non habebant humorem! E que sobre mirrados, sobre afogados, sobre comidos, ainda se vejam pisados e perseguidos dos homens: Conculcatum est! Não me queixo nem o digo, Senhor, pelos semeadores; só pela seara o digo, só pela seara o sinto. Para os semeadores, isto são glórias: mirrados sim, mas por amor de vós mirrados; afogados sim, mas por amor de vós afogados; comidos sim, mas por amor de vós comidos; pisados e perseguidos sim, mas por amor de vós perseguidos e pisados.

Agora torna a minha pergunta: E que faria neste caso, ou que devia fazer o semeador evangélico, vendo tão mal logrados seus primeiros trabalhos? Deixaria a lavoura? Desistiria da sementeira? Ficar-se-ia ocioso no campo, só porque tinha lá ido? Parece que não. Mas se tornasse muito depressa a buscar alguns instrumentos com que alimpar a terra das pedras e dos espinhos, seria isto desistir? Seria isto tornar atrás? -- Não por certo. No mesmo texto de Ezequiel com que arguistes, temos a prova. Já vimos como dizia o texto, que aqueles animais da carroça de Deus, «quando iam não tornavam»: Nec revertebantur, cum ambularent. Lede agora dois versos mais abaixo, e vereis que diz o mesmo texto que «aqueles animais tornavam, e semelhança de um raio ou corisco»: Ibant et revertebantur in similitudinem fulgoris coruscantis. Pois se os animais iam e tornavam à semelhança de um raio, como diz o texto que quando iam não tornavam? Porque quem vai e volta como um raio, não torna. Ir e voltar como raio, não é tornar, é ir por diante. Assim o fez o semeador do nosso Evangelho. Não o desanimou nem a primeira nem a segunda nem a terceira perda; continuou por diante no semear, e foi com tanta felicidade, que nesta quarta e última parte do trigo se restauraram com vantagem as perdas do demais: nasceu, cresceu, espigou, amadureceu, colheu-se, mediu-se, achou-se que por um grão multiplicara cento: Et fecit fructum centuplum.

Oh que grandes esperanças me dá esta sementeira! Oh que grande exemplo me dá este semeador! Dá-me grandes esperanças a sementeira porque, ainda que se perderam os primeiros trabalhos, lograr-se-ão os últimos. Dá-me grande exemplo o semeador, porque, depois de perder a primeira, a segunda e a terceira parte do trigo, aproveitou a quarta e última, e colheu dela muito fruto. Já que se perderam as três partes da vida, já que uma parte da idade a levaram os espinhos, já que outra parte a levaram es pedras, já que outra parte a levaram os caminhos, e tantos caminhos, esta quarta e última parte, este último quartel da vida, porque se perderá também? Porque não dará fruto? Porque não terão também os anos o que tem o ano? O ano tem tempo para as flores e tempo para os frutos. Porque não terá também o seu Outono a vida? As flores, umas caem, outras secam, outras murcham, outras leva o vento; aquelas poucas que se pegam ao tronco e se convertem em fruto, só essas são as venturosas, só essas são as que aproveitam, só essas são as que sustentam o Mundo. Será bem que o Mundo morra à fome? Será bem que os últimos dias se passem em flores? -- Não será bem, nem Deus quer que seja, nem há-de ser. Eis aqui porque eu dizia ao princípio, que vindes enganados com o pregador. Mas para que possais ir desenganados com o sermão, tratarei nele uma matéria de grande peso e importância. Servirá como de prólogo aos sermões que vos hei-de pregar, e aos mais que ouvirdes esta Quaresma.

§

Gregório de Matos (1636 - 1696)


Anjo Bento

Destes que campam no mundo
Sem ter engenho profundo
E, entre gabos dos amigos,
Os vemos em papafigos
Sem tempestade, nem vento:

Anjo Bento!

De quem com letras secretas
Tudo o que alcança é por tretas,
Baculejando sem pejo,
Por matar o seu desejo,
Desde a manhã té à tarde:

Deus me guarde!

Do que passeia farfante,
Muito prezado de amante,
Por fora luvas, galões,
Insígnias, armas, bastões,
Por dentro pão bolorento:

Anjo Bento!

Destes beatos fingidos,
Cabisbaixos, encolhidos,
Por dentro fatais maganos,
Sendo nas caras uns Janos:
Que fazem do vício alarde:

Deus me guarde!

Que vejamos teso andar
Quem mal sabe engatinhar,
Muito inteiro e presumido,
Ficando o outro abatido
Com maior merecimento:

Anjo Bento!

Destes avaros mofinos,
Que põem na mesa pepinos,
De toda a iguaria isenta,
Com seu limão e pimenta,
Porque diz que o queima e arde:

Deus me guarde!

/

[Carregado de mim ando no mundo]

Carregado de mim ando no mundo,
E o grande peso embarga-me as passadas,
Que como ando por vias desusadas,
Faço o peso crescer, e vou-me ao fundo.

O remédio será seguir o imundo
Caminho, onde dos mais vejo as pisadas,
Que as bestas andam juntas mais ornadas,
Do que anda só o engenho mais profundo.

Não é fácil viver entre os insanos,
Erra, quem presumir, que sabe tudo,
Se o atalho não soube dos seus danos.

O prudente varão há de ser mudo,
Que é melhor neste mundo em mar de enganos
Ser louco cos demais, que ser sisudo.

§

Luiz Gama (1830 - 1882)

O Barão da Borracheira

Na Capital do Império Brasileiro,
Conhecida pelo — Rio de Janeiro,
Onde a mania, grave enfermidade,
Já não é como dantes, raridade;
E qualquer paspalhão endinheirado
De nobreza se faz empanturrado -
Em a rua chamada do Ouvidor,
Onde brilha a riqueza, o esplendor,
À porta de uma modista de Paris,
Lindo carro parou — Número — X — ,
Conduzindo um volume, na figura,
Que diziam alguns, ser criatura
Cujas formas mui toscas e brutais
Assemelham-na brutos animais.

Mal que da sege salta a raridade,
Retumba a mais profunda hilaridade.
Em massa corre o povo, apressuroso
Para ver o volume monstruoso;
De espanto toda a gente amotinada
Dizia ser coisa endiabrada!

Uns afirmam que o bruto é um camelo,
Por trazer no costado cotovelo,
É asno, diz um outro, anda de tranco,
Apesar do focinho d'urso branco!
Ser jumento aquele outro declarava,
Porque longas orelhas abanava.
Recresce a confusão na inteligência,
O bruto não conhecem d'excelência.
Mandam vir do Livreiro Garnier,
Os volumes do Grande Couvier;
Buffon, Guliver, Plínio, Columella,
Morais, Fonseca, Barros e Portela;
Volveram d'alto a baixo tais volumes,
Com olhos de luzentes vagalumes,
E desta nunca vista raridade
Não puderam notar a qualidade!

Vencido de roaz curiosidade
O povo percorreu toda a cidade;
As caducas farmácias, livrarias,
As boticas, e vãs secretarias;
E já todos a fé perdida tinham,
Por verem que o brutal não descobriam,
Quando idéia feliz e luminosa,
Na cachola brilhou dum Lampadosa
Que excedendo em carreira os finos galgos,
Lá foi ter à Secreta dos Fidalgos;
E dizem que encontrara registrado
O nome do colosso celebrado:
Era o grande Barão da borracheira,
Que seu título comprou na régia-feira!

§


Serei Conde, Marquês e Deputado


Pelas ruas vagava, em desatino,
Em busca do seu asno que fugira,
Um pobre paspalhão apatetado,
Que dizia chamar-se - Macambira.

A todos perguntava se não viram
O bruto que era seu, e desertara;
Ele é sério (dizia), está ferrado,
E tem o branco focinho, é malacara.

Eis que encontra postado numa esquina,
Um esperto, ardiloso capadócio,
Dos que mofam da pobre humanidade,
Vivendo, por milagre, santo ócio.

Olá, senhor meu amo, lhe pergunta
O pobre do matuto, agoniado;
“Por aqui não passou o meu burrego
Que tem ruço o focinho, o pé calçado?”

Responde-lhe o tratante, em tom de mofa:
“O seu burro, Senhor, aqui passou,
Mas um guapo Ministro fê-lo presa,
E num parvo Barão o transformou!”

Ó Virgem Santa! (exclama o tabaréu,
Da cabeça tirando o seu chapéu)
Se me pilha o Ministro, neste estado,
Serei Conde, Marquês e Deputado!...


§

Pedro Kilkerry (1885 - 1917)



É o silêncio, é o cigarro e a vela acesa.
Olha-me a estante em cada livro que olha.
E a luz nalgum volume sobre a mesa...
Mas o sangue da luz em cada folha.
Não sei se é mesmo a minha mão que molha
A pena, ou mesmo o instinto que a tem presa.
Penso um presente, num passado.  E enfolha
A natureza tua natureza.
Mas é um bulir das cousas... Comovido
Pego da pena, iludo-me que traço
A ilusão de um sentido e outro sentido.
Tão longe vai!
Tão longe se aveluda esse teu passo,
Asa que o ouvido anima...
E a câmara muda.  E a sala muda, muda...
Áfonamente rufa.  A asa da rima
Paira-me no ar.  Quedo-me como um Buda
Novo, um fantasma ao som que se aproxima.
Cresce-me a estante como quem sacuda
Um pesadelo de papéis acima...
.......................................................................
E abro a janela. Ainda a lua esfia
últimas notas trêmulas... O dia
Tarde florescerá pela montanha.

E ó minha amada, o sentimento é cego...
Vês?  Colaboram na saudade a aranha,
Patas de um gato e as asas de um morcego.

§


O verme e a estrela 

Agora sabes que sou verme.
Agora, sei da tua luz.
Se não notei minha epiderme...
É, nunca estrela eu te supus
Mas, se cantar pudesse um verme,
Eu cantaria a tua luz!

E eras assim... Por que não deste
Um raio, brando, ao teu viver?
Não te lembrava. Azul-celeste
O céu, talvez, não pôde ser...
Mas, ora! enfim, por que não deste
Somente um raio ao teu viver?

Olho, examino-me a epiderme,
Olho e não vejo a tua luz!
Vamos que sou, talvez, um verme...
Estrela nunca eu te supus!
Olho, examino-me a epiderme...
Ceguei! ceguei da tua luz?

§


Cetáceo

Fuma. É cobre o zênite. E, chagosos no flanco,
Fuga e pó, são corcéis de anca na atropelada.
E tesos no horizonte, a muda cavalgada.
Coalha bebendo o azul um largo vôo branco.

Quando e quando esbagoa ao longe uma enfiada
De barcos em betume indo as proas de arranco.
Perto uma janga embala  um marujo no banco
Brunindo ao sol brunida a pele atijolada.

Tine em cobre o zênite e o vento arqueja e o oceano
Longo enfroca-se a vez e vez e arrufa,
Como se a asa que o roce ao côncavo de um pano.

E na verde ironia ondulosa de espelho
Úmida raiva iriando a pedraria. Bufa
O cetáceo a escorrer d’ água ou do sol vermelho.

§


Sosígenes Costa (1901 - 1968)

O pavão vermelho

Ora, a alegria, este pavão vermelho,
está morando em meu quintal agora.
Vem pousar como um sol em meu joelho
quando é estridente em meu quintal a aurora.

Clarim de lacre, este pavão vermelho
sobrepuja os pavões que estão lá fora.
É uma festa de púrpura. E o assemelho
a uma chama do lábaro da aurora.

É o próprio doge a se mirar no espelho.
E a cor vermelha chega a ser sonora
neste pavão pomposo e de chavelho.

Pavões lilases possuí outrora.
Depois que amei este pavão vermelho,
os meus outros pavões foram-se embora.

§

Duas festas no mar

Uma sereia encontrou
um livro de Freud no mar.
Ficou sabendo de coisas
que o rei do mar nem sonhava.

Quando a sereia leu Freud
sobre uma estrela do mar,
tirou o pano de prata
que usava para esconder
a sua cauda de peixe.
E o mar então deu uma festa.

E no outro dia a sereia
achou um livro de Marx
dentro de um búzio do mar.

Quando a sereia leu Marx
ficou sabendo de coisas
que o rei do mar nem sonhava
nem a rainha do mar.

Tirou então a coroa
que usava para dizer
que não era igual aos peixinhos.
Quebrou na pedra a coroa.

E houve outra festa no mar.

§

O pôr-de-sol do papagaio

O papa-vento nos jardins de maio
e o verde no seu mar de leite.
O mar já não é azul, é verde-gaio
num clarão que é relâmpago de azeite.

Se o mar é belo sem que a tarde o enfeite
quanto mais se o enfeitar o sol de maio.
O mar do papa-vento é o papagaio
e o céu do verde papa é o papa-leite.

Latadas cristalinas em desmaio.
Tombam flores do céu, meu papagaio.
E o papa-vento é de cristal e leite.

Deite leite, meu mar, pro papagaio.
Que o papagaio em verde se deleite
e não se enfeite de outra cor em maio.


§

Erthos Albino de Souza (1932 - 200) 



(Nota: nascido em Minas, produziu grande parte de sua obra na Bahia, 
onde editou a importante revista Código)


§

Elomar Figueira Mello (Vitória da Conquista, 1937)



§


Caetano Veloso (Santo Amaro da Purificação, 1942)

A terceira margem do rio

Oco de pau que diz:
Eu sou madeira, beira
Boa, dá vau, triztriz
Risca certeira
Meio a meio o rio ri
Silencioso, sério
Nosso pai não diz, diz:
Risca terceira

Água da palavra
Água calada, pura
Água da palavra
Água de rosa dura
Proa da palavra
Duro silêncio, nosso pai

Meio a meio o rio ri
Por entre as árvores da vida
O rio riu, ri
Por sob a risca da canoa
O rio riu, ri
O que ninguém jamais olvida
Ouvi, ouvi, ouvi
A voz das águas

Asa da palavra
Asa parada agora
Casa da palavra
Onde o silêncio mora
Brasa da palavra
A hora clara, nosso pai

Hora da palavra
Quando não se diz nada
Fora da palavra
Quando mais dentro aflora
Tora da palavra
Rio, pau enorme, nosso pai

§

O estrangeiro


§



Gilberto Gil (Salvador, 1942)





§




Waly Salomão (1943 - 2003)

Sonho o poema de arquitetura ideal
cuja própria nata de cimento encaixa palavra por
palavra,
tornei-me perito em extrair faíscas das britas
e leite da pedras.
acordo.
e o poema todo se esfarrapa, fiapo por fiapo.
acordo.
o prédio, pedra e cal, esvoaça
como um leve papel solto à mercê do vento
e evola-se, cinza de um corpo esvaído
de qualquer sentido.
acordo,
e o poema-miragem se desfaz
desconstruído como se nunca houvera sido.
acordo!
os olhos chumbados
pelo mingau das almas e os ouvidos moucos,
assim é que saio dos sucessivos sonos:
vão-se os anéis de fumo de ópio
e ficam-se os dedos estarrecidos.
sinédoques, catacreses,
metonímias, aliterações, metáforas, oxímoros
sumidos no sorvedouro.
não deve adiantar grande coisa
permanecer à espreita no topo fantasma
da torre de vigia.
nem a simulação de se afundar no sono.
nem dormir deveras.
pois a questão chave é:
sob que máscara retornará o recalcado?

(mas eu figuro meu vulto
caminhando até a escrivaninha
e abrindo o caderno de rascunho
onde já se encontra escrito
que a palavra “recalcado” é uma expressão
por demais definida, de sintomatologia cerrada:
assim numa operação de supressão mágica
vou rasurá-la daqui do poema)

            pois a questão chave é:
            sob que máscara retornará?

§

Vapor Barato

 

§

Duda Machado (Salvador, 1944)


Meridiano

tempestades sem céu
de noites em claro

em que o espírito
rasga a carne
e a memória se contrai
ante um mapa

de linhas equívocas
cujos pontos foram percorridos
ao vivo
entre gestos hipnoticamente acesos

ignorantes
inacessíveis estrelas:
viver também pode
ser longe

acordar é raro
breve

um cochilo, piscar de olhos
por onde irrompe
o entrevisto espanto
do que somos
acordar é um sonho

despertar es raro
breve

§


Antônio Risério (Salvador, 1953)


Via Papua

desamarra a quilha, canoa
desamarra a quilha
e voa

(vai pelo ar
pelo mar
e sobre a ilha;
voa sobre o que
se armadilha)

mas voa leve, canoa
e leva uma estrela
na ponta da proa

cruza o mar, a névoa
o peito, a boca, a língua
almas que invadem nuvens
dobras de angra e de íngua

(mas voa leve, canoa
há uma estrada inteira
na ponta da tua proa)

e que o ar mais leve a leve
e faça das algas do céu
a minha única
e exclusiva
coroa,

canoa.

§

Abaite ya

para augusto de campos

"Their concept of a garden is a reproduction on a dwarfish scale of nature they see around themselves. It makes a characteristic contrast with the modern horizontal park dotted with geometric patterns of flower-beds and shady trees planted at regular intervals in parallel lines as in French gardens of the Cartesian age.- Shunkichi Akimoto.


morai mizu

yumê-sakura
no chão
da lagoa escura

yumê ah
ah yumê ah
ah yumê

yumê-sakura
no chão
da lagoa escura

o sol bashô
à doce brissa
caracol
ka-dô

lua branca
areia branca
uma polegada
escura

odô ya
a conta de vidro kai
o som da água

graveto kanji
kioto ketu
uma cidade:

mairi

asagao ya
oh ipoméia
abaité ya
a ideia
de uma
orquídea

sereia no ideograma
areia no brinquedo
ipupiara em ikebana

semilua em leque
a mulher bem nua
dama kasa não é minha
yamakochi
nem é tua:

sozinha sozinha
a mulher flutua

yamabuki
exu samurai
terreiro kabuki

sendas de okunrin
satoriki
um jardim enfim
onde eu ronin
onde eu chonin
diga sim ao sim

lua na neve

okê aro
me sento dentro
de uma peça nó

noite de outono
emi hakuryo
nenhum hagoromo
os olhos no cio

alakorô alakorô
oh oxotokanxoxô
o rei menos o reino
o cheiro de uma cor

§


Aviso à praça

O humano é um engano do humano.
Divide o humano em humano e desumano.
Sonho insano de se ver a salvo
De crivos e crises e crimes
Cravados no alvo.

Bobagem. Nenhum capitalismo é selvagem.
Puta não é cadela. Nem a vida, feroz.
O homem é o homem do homem.
Todos juntos e a uma só voz.
Humana é a sala de tortura,
A napalm, a navalha, a metralha no gueto
- a pele esfolada no porão.
Humana, humaníssima, a escravidão.

Humano é o arame farpado
O estripador branco, o estuprador preto,
Carndiru, Somália, Khmer, Bopal
O massacre na Praça da Paz Celestial.
Humana a fissão do átomo
Humana a fissura do FIM.

Não consta que roseiras e gaivotas ajam assim.

§

Karina Buhr (Salvador, 1974)



§

João Filho (Bom Jesus da Lapa, 1975)


Louvação ao Morão de Privintina

É Ojasso Margoso
farinhando seu sustento
na curva da duna
alinhavando lamento
na lombada da ponte
todo esforço é nulo
bovinamente bolando
a touceira e o pulo.

É fundura de cova
que tatu não se arrisca
e todo o seu incêndio
no meu capim é faísca
escancarada feito retina
em noite defunta
chumbo espalhado no ar
quenãoseajunta.

É Ojasso Margoso
farinhando proveito
pois a desavença o empurra
prum buraco estreito
a míngua é muita
a cama-de-quiabento
na estirância seca
desse campo restinguento.

Corpo boiando sem peso
na desausência do farto
feiúra pra mais de metro
abarrotando seu quarto
É Ojasso Margoso
garantindo guarnição
raspando até escama
de traíra, lambú e azulão.

É nêgo Bizuíto bizorando
no borralho da quebrada
gamela d’astúcia cheia
por todos ignorada
mas não se fie fidalgo
em luz de ponta-de-faca
da treita sua folia
das tripas sua capa.

O tempo nos assalta
com bala, ruga, confissão
carpindo, curvo, coxo
agregado no gibão
agentingole sapo
sapo, já engoliu brasa
e vai anjo gago, demente
depenar sua própriasa

Tira fina de córgo
vencendo lajedo
na embolada ladeira
malocando seu medo
avesso a ferro e lonjura
enfurecido engodo
comido pela metade
mas já morrido de todo.

Tá no eito largado
sem riso cuia ou lenha
larga logo um gemido
feito cadela prenha
mas é liso gongazeiro
evita beco, barulho
sabe que meganha é guariba
e pocomã engolintulho.

Nos vasos magros do mês
lambança deu embolia
sobrou as estacas do cercado
cruezas de casa vazia
desusos dum déu de desejo
de velhas usanças
despejo de verbos alheios
no meio da contradança.

Pipocam clarões
no lado esquerdo das esquinas
Tõin gongá releva
mas já não tarantina
o que vai dentro da treva
côa sua resina
é zabelê ciscando rumo
no descompasso da chacina.

§

Karina Rabinovitz (Salvador, 1977)



§

Rodrigo Damasceno (Feira de Santana, 1985)



Kosí Ewé, 
Kosí Òrisà

        para Maria Dolores

Onde não
tem mato
mas mesmo
assim folha -
estou.

Onde não
passa rio
mas mesmo
assim pássaro -
estou.

Onde não
bate mar
(coração)
mas mesmo
assim onda -
estou.

Onde não
pega fogo
mas mesmo
assim chama -
estou.

Onde não
chega gente
mas mesmo
assim vamos -
estou.

Aqui
Restou

§

Os peixes vermelhos

estou contando
os peixes
que passam:
somo os vivos
aos mortos -
e conto todos;
e em seguida
ao centésimo
de cor azul,
de cor pedra,
de cor fogo,
vou acender
um teu cigarro
e mergulhar
(apneia, agonia,
certo sufoco)(vou
em teu cavalo
terreno, este
bicho louco -
enxame de músculo
e osso - e ponte):
e passarei com eles,
com os peixes roxos,
aos pés
de quem nos conte,
a todos,
esteja eu vivo
esteja
eu morto.

§

Portugal não descobriu
o mundo,
mas eu conheço
gente que vive
em Maputo, que viu
o Japão,
que ama
o Porto - e este
poema é escrito
com acento
luso. Conheço um
português, (ele é o dono
desta pensão),
que já não tem
sotaque, já não
tem saudades: ao
falar-me de sua
cidade, comparou-a
com o sertão,
ele pensa
que eu vim
do sertão
(que bom, pensa
que sou como
ele, então)
Portugal não descobriu
o mundo,
mas eu conheço
gente que quer
voltar para o Rio de Janeiro,
que já não suporta
o caos, já não suporta
o cheiro
mau
do rio Pinheiros - será
que este também
vai morrer
no meio do mar?
Portugal não descobriu
o mundo,
não é o dono do mar,
mas eu conheço gente,
conheço gente,
conheço
gente.


§


Uyatã Rayra (Feira de Santana, 1987)


§


Encerro esta postagem com 3 poemas, de 3 poetas com quem convivi durante os dias de oficina em Salvador. Meu abraço a todos os novos amigos na Bahia.


Alex Simões (Salvador, 1973)

poesia, pai dê uma
poesia    é
             é round
             é play-ground
             é underground
             é all-around

quem não gosta de brincar
não desce da plêiade

e põe a culpa no Pound

§

Marcio Junqueira (Feira de Santana, 1981)




Ele não era louro, era gallego

(Para ler ao som de "Quero ser justo" - Caetano Veloso)

ele não era louro
era gallego
gallego da galícia
há muitos anos seu avô
tinha vindo de lá

teve duas filhas
a mais nova
- ainda muito nova -
engravidou
casou/separou
e teve esse menino
que não era louro
esse menino
gallego
que comia terra
brincando com o avô
no quintal em paciência
esse avô
que era louro
e mais que isso
era : gallego gallego
(seus pais (os bisavós do menino) eram primos)
essa parte da historia ele não contou
mas eu imagino
muito magro e muito branco
tomando chocolate
e assistindo doug
frágil e assombrado
como agora
(quando o avô já não é mais
quando paciência é um lugar longe
onde, de vez em quando, ele vai)
sentado no sofá azul
na fotografia que não tirei
falando coisas que não ouço
concentrado que estou na sua boca
ou mais cedo
com luva amarela de borracha
mexendo mingau de maizena
e cantando mr. sandman
daqui a pouco vou beijá-lo
depois disso
vão existir duas noites e dois dias
mortos
até ressuscitar ao terceiro dia
e me fazer feliz
e me fazer infeliz depois
mas antes disso
eu olho ele
ele me olha
e nem mesmo
saturno visto de um telescópio
o livro das perguntas de neruda
uma pessoa pintada e deitada na grama
ou uma casa de legos habitada por playmobils
consegue ser mais bonito.

§

Ederval Fernandes (Feira de Santana, 1985)

O cobrador da van disse

oxeee, mô fio,
é ba-rril.
nego pagou foi pau.
né, moral,
tu num viu?
tu vai pá rua,
pacêro?
simbora, qui é passe.
dinhêro né mato,
que nasce à toa.
amanhã é dumingo,
viu, coroa?,
e cabucives é sagrado...
sem baratino,
no barro, só de boa.
e é isso meismo.
mar menino.
se alterar o plantão,
tu já num sabe?
é daquele jeito,
mô fio.
é dá um mole,
o pipoco vem.
vai, sá-cana -
é-só-o-barril.

.
.
.


Arquivo do blog