domingo, 1 de abril de 2012

Ísis Dias de Oliveira (1941 - ?)



Ísis Dias de Oliveira (1941 - ?)

Talvez
ela estivesse agora
entediada num domingo,
cheia de banzo no sofá
ou dormindo
divorciada, talvez.
Talvez ela vivesse
com os três filhos
que jamais teve
numa quitinete
de aluguel, feliz
ou infeliz, como sói
ser, talvez. Talvez
vestisse neste minuto
os sapatos favoritos
já meio gastos, da amiga
com quem não mais falasse,
talvez. Talvez o suicídio
já a houvesse colhido,
ou o segundo marido,
quiçá tão-só um sorvete
de tamarindo, talvez.
Talvez estivesse rindo,
contando a piada
sem graça
que todos os amigos
já não aguentavam
ouvir, talvez. Talvez
questionasse
o que valeram luta
e toda aquela vida
para que o País
acabasse
como acabou, talvez.
Talvez houvesse emigrado
e submetesse suas alegrias
agora a outros climas,
exprimindo-se noutra língua,
esquecida de militâncias
e guerrilhas, talvez.
Seus dedos agora talvez
estivessem sujos de tinta
do jornal matutino
que mente a miúdo,
como já antes o fazia,
talvez, e a tinta agora
se juntasse ao branco
da louça da xícara,
como se transporta
matéria de matéria
a matéria, se viva,
talvez.


Ricardo Domeneck, 1° de abril de 2012, aniversário do Golpe de 64.

§

Da página
.

Ísis Dias de Oliveira nasceu em 29 de agosto de 1941, filha de Edmundo Dias de Oliveira e Felícia Mardini de Oliveira.

Desaparecida desde 1972, quando tinha 31 anos.

Iniciou seus estudos no Grupo Estadual Pereira Barreto, onde concluiu o primário. O Ginasial e o Clássico cursou no Colégio Estadual Presidente Roosevelt e no Colégio Sta. Marcelina, respectivamente.

Em 1960 concluiu o seu curso de piano e, posteriormente, estudou inglês na União Cultural Brasil-Estados Unidos.

Além de inglês, falava francês e espanhol. Em 1965 iniciou o Curso de Ciências Socias na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP.

Em 1967, casou-se com José Luiz Del Royo, de quem se separou posteriormente.

Ainda em 67 trancou sua matrícula.

Em 1970 passou a morar na cidade do Rio de Janeiro, onde foi presa no dia 30 de janeiro de 1972.

De D. Felícia Mardini de Oliveira, sua mãe:

“Ísis, em sua infância, foi uma menina simples, tímida talvez. Estudava normalmente. Paralelamente fazia curso de inglês e piano, chegando a formar-se nestes dois cursos. Na adolescência interessou-se em aprofundar cada vez mais seus conhecimentos. Lia com entusiasmo tudo o que se relacionava com Psicologia, Filosofia e História Geral.

Decidida a conhecer melhor as relações do homem com a sociedade, ingressou na Faculdade de Ciências Sociais da USP, não chegando a concluir o curso. Ísis mostrava-se segura e coerente com suas definições de vida. Este pareceu-nos ser o traço mais marcante de sua personalidade. Verificamos uma total coerência na sua maneira de pensar e agir.

Em 16 de junho de 1970 Ísis foi morar no Rio de Janeiro. A princípio vinha, sempre, visitar-nos em São Paulo. Outras vezes nós a encontrávamos no Rio, em lugares pré-combinados. Um dia, ao despedir-se ela disse: ‘Mãe, se alguma coisa me acontecer, uma companheira dará notícias para vocês’. Eu fiquei muito nervosa com essa informação. No dia seguinte, conforme havíamos combinado, eu fui ao seu encontro. Esperei por várias horas, Ísis não apareceu. Nunca mais a vi.

Em 22 de novembro de 1971 Ísis fez um telefonema para a casa de um vizinho, chamando-me. Disse não ter sido possível ir ao meu encontro, conforme havíamos combinado, mas que tudo estava bem com ela. Foi a última vez que ouvi sua voz.

Em 23 de janeiro de 1972 Ísis encontrava-se em apuros. Chegou pela madrugada em casa de uns amigos em Niterói. Dormiu e passou o dia seguinte lá. Fez um curativo em um ferimento que tinha no pescoço, indo embora no final da tarde. O nosso amigo foi com ela até as barcas. Foi a última pessoa a ver Ísis.

Em 4 de fevereiro de 1972 meu marido recebeu, em seu escritório, um telefonema de uma moça dizendo: ‘Ísis foi presa, no Rio de Janeiro, pelo I Exército. Vocês devem tomar providências para localizá-la, porque ela corre perigo de vida.’ Mais tarde soubemos que a autora do telefonema era a companheira de Ísis, Aurora Maria do Nascimento Furtado, posteriormente assassinada pela repressão, que fora também colega da Ísis aqui na USP.

Em 10 de fevereiro de 1972, a Dra. Eny Raimundo Moreira, que fora contratada por meu marido, impetrou um habeas corpus em favor de Ísis. Negaram sua prisão. Ao todo foram cinco habeas corpus. A partir do terceiro a resposta era: Ísis Dias de Oliveira ‘encontra-se foragida’.

Trânsito de Ísis nos órgãos de repressão:

• Em meados de fevereiro de 1972, esteve presa no DOI-CODI/RJ.

• Março de 1972, quando era transferida do Rio para São Paulo, juntamente com outros presos, foi desligada desse grupo por apresentar problemas renais.

• No mesmo mês de março, pelos mesmos problemas renais, esteve hospitalizada aqui em São Paulo.

• Ainda no mês de março, foi transferida para a base Aérea de Cumbica/SP.

• Em 13 de abril de 1972, uma Assistente Social, Maria do Carmo de Oliveira, lotada no Hospital da Marinha (Ilha das Cobras) no Rio, informa a mim e a minha sobrinha Sônia: ‘Ísis Dias de Oliveira foi presa pelo I Exército, com duas identidades, encontra-se incomunicável na Ilha das Flores’. Esta informação Maria do Carmo recebeu por telefone de um primo, lotado no serviço de Telex do I Exército.

No dia seguinte, Maria do Carmo, eu e minha sobrinha Sônia fomos intimadas a comparecer no I Exército. Lá nos atendeu um coronel e o primo da Maria do Carmo. Alegaram que ‘fora um lamentável engano’.

Logo em seguida, a Dra. Eny esteve na Ilha das Flores, onde foi negada sua presença. Eu estive por três vezes na Ilha, sem nada conseguir. Mas foi lá que conheci Lêda Medeiros, esposa de Jorge Medeiros. Lêda me falou ter conhecimento de uma família denominada ‘Massa’. Foi assim que eu cheguei até a família do Paulo César Botelho Massa, companheiro de Ísis, que teria sido preso antes da minha filha.

Paulo César Botelho Massa, desaparecido político, filho do General Cristóvão Massa e sobrinho de mais três generais, encontra-se desaparecido como Ísis, sem nenhuma informação a mais.

Em 21 de junho de 1972 soubemos que Ísis estivera no CENIMAR, de lá teria sido transferida para o Aeroporto do Campo dos Afonsos/RJ.

Em 20 de fevereiro de 1974 um conhecido do meu marido, que atuava com Seguros e também no DOPS, prometia conseguir informações da Ísis para nós. Chegando de uma excursão de turismo no exterior, disse-nos que a guia que os acompanhou na cidade de Londres era uma brasileira de nome Íris, e que tinha tudo para ser Ísis. Mostrou fotos da Ísis para outras pessoas que participaram da excursão. Todos acharam que de fato poderia ser Ísis. Meu marido havia sofrido uma cirurgia cardíaca. Então, eu e meu filho não tivemos outra alternativa senão tirar tudo a limpo.

Em 4 de março de 1974 viajamos para Londres e encontramos a moça, que trabalhava na agência de turismo Meliá-Marsans. Realmente era uma brasileira e nada mais, não tinha nada a ver com nossa filha Ísis.

Nós chegamos à triste conclusão que todas essas séries de desinformações serviam a um objetivo específico, que era de confundir-nos e fazer-nos reaver a cada sinal uma esperança.

Cartas: Foram escritas muitas. Eu as escrevia, com sacrifício, para poupar meu marido que havia sofrido um grave enfarte do miocárdio. Com o passar do tempo, fui vendo que os destinatários eram os mesmos, a quem as outras famílias de desaparecidos escreviam: Presidente da República, Ministros das três armas, Comandante do I e do II Exércitos, OAB, OEA, ONU, Anistia Inter-nacional, Arcebispo do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Foram tantas as cartas e inúteis que não gosto de lembrar. Só não esquecerei uma em especial, pelo trabalho e pela satisfação que me deu.

Nós, familiares dos presos políticos desaparecidos, pedíamos informações ao Governo, sobre o destino dos nossos parentes. Quando o Ministro da Justiça, através do líder José Bonifácio, vem de público enumerar uma série de delitos praticados por eles. Eu não me conformei com aquelas informações. Achei que era o fim de tudo. Nós queríamos saber o paradeiro deles e não o que eles haviam praticado. Escrevi uma carta de contestação. Mas, como publicar minha carta? A censura não respeitava nem o malote dos deputados. Não tive dúvidas. Fui pelo caminho mais longo, mas o que me pareceu seguro. Viajei 20 horas até Brasília para entregar minha carta ao deputado Lisâneas Maciel. O deputado Lisâneas não se encontrava em Brasília, entreguei então a minha carta em mãos do deputado Fernando Lira.

Mais 20 horas de volta. No meio do caminho, em uma parada de ônibus, comprei um jornal ‘O Estado de São Paulo’. Lá estava a minha carta publicada. Valeu-me uma grande satisfação no momento. Mas foi só. Porque até hoje estou esperando saber o que eles fizeram com minha filha Ísis.

Foi indiciada em seis (6) processos. Em três, Ísis foi absolvida por falta de provas. Os outros três foram arquivados.”

Em matéria publicada no jornal “Folha de São Paulo”, em 28 de janeiro de 79, um general com responsabilidade dentro dos órgãos de segurança, reconheceu a morte de Ísis e mais 11 presos políticos considerados desaparecidos.

Em 08 de abril de 1987, a Revista “Isto É”, em matéria “Longe do Ponto Final”, traz declarações de Amílcar Lobo que reconheceu Ísis no DOI-CODI/RJ, sem precisar a data.

No Arquivo do DOPS/PR, em uma gaveta com a identificação: “falecidos” foi encontrada sua ficha.

Os Relatórios dos Ministérios da Marinha e do Exército insistem em afirmar que Ísis está “foragida”.

.
.
.

15 comentários:

Anônimo disse...

Se não era guerrilheira, cometeu-se grande covardia; se era, que se poderia esperar?

LPC

Ricardo Domeneck disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Domeneck disse...

Alguns critérios estiveram muito presentes em minha mente ao ler sobre dezenas de desaparecidos políticos e decidir dedicar este texto a Ísis Dias de Oliveira: seu gênero e o fato de ter aparentemente participado da Ação Libertadora Nacional.

Este segundo fator era justamente para senhores ou senhoras como você, anônimo LPC (a covardia de sempre), que claramente possui um pensamento político e ético de alcance bastante medíocre, como se pode ver nas implicações de seu comentário acima.

Também não espero que o senhor ou senhora vá compreender as implicações do meu comentário em resposta, a não ser que o destrince para seu parco discernimento.

atenciosamente,

Ricardo Domeneck

Anônimo disse...

E as bancas de jornais explodidas? E as caixas de banco ameaçadas de morte? E a bomba no aeroporto de Guararapes? E o cap. Chandler assassinado diante da família? Qual o alcance do pensamento ético e político que justifica tais ações?

Contudo, se entendeste meu pequeno comentário como uma espécie de "bem-feito, quem mandou!", estavas muito enganado: só queria dizer - embora não dissesse claramente - que quem entra na luta armada arrisca-se a morrer.

Pior crime cometeram os cabeças dos movimentos de esquerda à época pois, mesmo sabendo que a luta armada era perdida, espicaçou o idealismo desses jovens a fim de conseguirem mártires para sua causa.

Mas não me creia, mas sim no Sr. Brassans: http://www.youtube.com/watch?v=p-ZI28nbSDQ

Luiz.

Anônimo disse...

Ricardinho: posso possuir "pensamento político e ético de alcance bastante medíocre" (como é medíocre a sentença em que vc o declara) mas não quero "monitorar" (sic), como vc, o uso público da linguagem: "Já deixei clara minha posição e crença sobre uma das funções políticas dos poetas: monitorar o uso e denunciar o abuso da linguagem no discurso político de sua comunidade...". Uau! Percebe como atrás das intenções mais lindas, puras e cândidas, se encontra um pequeno ditador? Votemos no Ricardinho para censor oficial!

Ricardo Domeneck disse...

Senhor anônimo (creio já poder me referir ao senhor no masculino, pois seu "tom de escrita" parece demonstrar testosterona escorrendo pelos cantos da boca de macho-alfa),

pergunto-me se o senhor realmente leu a postagem ou se a leu com atenção. Sigamos, por ora, sua linha de raciocíno, já que não ofenderia o substantivo "pensamento": se o senhor não leu, Ísis Dias de Oliveira foi presa na cidade do Rio de Janeiro, no dia 30 de janeiro de 1972. Não estava no exército, lutando no que poderia ter sido a Resistência Constitucionalista (se João Goulart houvesse decidido lançar o País numa Guerra Civil), nem estava em meio a uma operação de luta armada ou roubando um banco, o que, segundo seu pensamento, teria justificado seu assassinato. Ísis Dias de Oliveira foi presa e executada por um Regime ilegítimo, sem julgamento, num país que não previa nem prevê a pena de morte (oficialmente, já que conhecemos a brutalidade da Polícia ainda Militar).

Estas são as implicações de seu comentário: sua defesa da pena de morte sem julgamento por um Regime ilegítimo e inconstitucional. Vale lembrar que, segundo a família, Ísis "foi indiciada em seis (6) processos. Em três, foi absolvida por falta de provas. Os outros três foram arquivados.", mas eu não quero incentivar sua linha de pensamento que busca legitimar o assassinato de cidadãos dentro de um regime repressivo e ditatorial.

É claro que suas declarações demonstram seu posicionamento político de direita e provavelmente alinhado ao da Ditadura, com suas declarações sobre os "muito piores crimes da esquerda".

No poema, tentei simplesmente dedicar o pensamento a uma pessoa, alguém de carne e osso, mas o senhor insiste, ainda por cima, em lança-la no anonimato.

Quanto a seu segundo comentário, se for do mesmo sinhôzinho anônimo, mais uma vez leu mal, com seu parco discernimento. Eu me referia ao monitoramento (seja ou não esta a melhor palavra) do discurso político, que usa e abusa da linguagem. Quem melhor que um poeta ou escritor para poder denunciar estes abusos? Qualquer intelectual que se preza, em outras partes do mundo, assume isso com naturalidade, como o fizeram aqui na Alemanha, por exemplo, Bertolt Brecht, Heiner Müller e Heinrich Böll (que tenho por mestres), ou ainda o faz um grande poeta e intelectual como Hans Magnus Enzensberger.

Não vejo o que possa haver de ditatorial no trecho do meu artigo que o senhor porcamente citou, e mantenho cada uma daquelas palavras. Assinando sempre e dando a cara a tapa, ao contrário do senhor.

De qualquer maneira, por mais que me canse ter que me explicar aos que não querem entender e distorcem o que escrevi aqui, lembro-me que dedico minhas energias neste espaço a outras pessoas, não àqueles que acreditam ter já chegado à verdade ou ao conhecimento completo sem ter verificado os fatos, parafraseando Pound.

Sem abraço algum,

Ricardo Domeneck

Ricardo Domeneck disse...

"Little wheel spin and spin..."
Buffy Sainte-Marie

Angélica Freitas disse...

lindo poema.

Anônimo disse...

LPC e Luiz são um só, o outro não sei quem é.

Luiz.

Elisa Carvalho disse...

Meu pai tb foi triturado nesta massa silenciosa de vergonha nacional.
Que Isis nos ampare.
Elisa

vodca barata disse...

ric, obrigada por mais uma vez iluminar cabecas-ocas como eu. esses comentários anônimos sao chatos, eu sei, mas a quantidade de leitores satisfeitos é muito maior.

e sim, o poema é lindo.

beijos

jaime e dolce disse...

ISIS DIAS DE OLIVEIRA,PARTICIPOU DO PIOR ATENTADO TERRORISTAS,NO BRASIL,ELA E MAIS 10 TERRORISTAS,FORTERMENTES ARMADOS DE METRALHADORAS E PISTOLAS INVADIRAM A CASA DE SAUDE DR EIRASD NO RIO,EM SETEMBRO DE 1971,E ASSASSINARAM,FRIAMENTE MEU PAI,CARDENIO JAYME DOLCE,DELEGADO APOSENTADO,E OSEUS SEGURANÇAS DEMERVAL FERREIRAS DOS SANTOS E SILVINO AMANCIO DOS SANTOS E BALERAM UM MEDICO E UM ENFERMEIRO,NESSES ATENTADO,FRIO,COVARDE,HEDIONDO,DEIXARAM 3 VIUVAS 3 21 ORFAOS E NETOS DESAMPARADOS,ISIS SEMPRE SERA UMA TERRORISTAS ASSASSINA.

Ricardo Domeneck disse...

Jaime,
minha escolha de uma militante que participara da luta armada foi intencional, justamente por não querer uma "saída moral" fácil. Sinto muito quanto a seu pai. Perceba, no entanto, que o poema não é uma apologia à luta armada.
Se você tiver informações detalhadas e embasadas sobre os acontecimentos de setembro de 1971, você pode enviá-las para meu email:

ricardo.domeneck@gmail.com

RD

Aloisio disse...

Muito fina sua maneira de tratar esteticamente de um tema tão delicado, sem perder a crueza que aí caberia. belo poema

Aloisio Romanelli disse...

Muito fina sua maneira de tratar esteticamente de um tema tão delicado, sem perder a crueza que aí caberia. Belo poema.

Arquivo do blog