quarta-feira, 8 de junho de 2011

Três poemas de Fabiano Calixto, no dia de seu aniversário

Fabiano Calixto


Eu encontrei meu companheiro coeditor da revista Modo de Usar & Co. uma única vez: na noite de 8 de fevereiro de 2006, quando organizei na Casa das Rosas uma leitura para receber os poetas argentinos Cristian De Nápoli e Lucía Bianco. Na época, o hábito de leituras públicas de poetas em São Paulo ainda não havia tomado muita força, o que começaria a acontecer, eu diria, justamente pelo contato com os companheiros latino-americanos da Argentina e Chile, onde sempre houve uma tradição mais forte neste aspecto. Naquela leitura, leram ainda os poetas Heitor Ferraz, Tarso de Melo, Marília Garcia e Angélica Freitas. Creio que fora a segunda ou talvez terceira vez que encontrei Marília Garcia, e a primeira vez que conversei de fato com Angélica Freitas. Foi, ainda, a única vez em que os quatro editores da Modo de Usar & Co. estiveram sob o mesmo teto.

Eu já conhecia o trabalho de Calixto, a partir de alguns de seus poemas publicados na revista Inimigo Rumor, que fariam parte mais tarde, creio, dos livros Algum (1998) e Fábrica (2000). Trabalhando na linhagem do minimalismo que marcou algo poesia na virada do século, guiado pela presença luminar das poéticas de João Cabral de Melo Neto (1920 - 1999) e Robert Creeley (1926 - 2005), eu sempre apreciei a forma com que Calixto, assim como em muitos poemas o saudoso Leonardo Martinelli (1973 - 2008), não fazia deste minimalismo qualquer instância de antilirismo de cartilha. Era como uma lírica pontiaguda, nos seus melhores momentos.

Naquele mesmo ano da leitura, Calixto lançaria o livro Música possível (São Paulo: Cosac Naify, 2006), em que ficaria claro que seu espírito é mesmo de poeta lírico. No ano seguinte, veio Sangüínea (São Paulo: Editora 34, 2007). Hoje, seu aniversário, envio meu abraço desde Berlim ao companheiro lá em São Paulo, e meu respeito, acima de todas as nossas inúmeras discordâncias e em meio aos nossos vários caminhos comuns, convidando os leitores deste espaço a lerem comigo três dos meus poemas favoritos do companheiro.


Três poemas de Fabiano Calixto


Em torno de

um disco repetindo-se
uniforme
a dor presente
um salmo
esquecido na página
consumada de um baseado

e continua
redemoinho melódico
não de poeira
vento
com agulha riscando o escuro
da luz apagada
dos sulcos mínimos

um molusco carregando a parede
como um código

uma mosca decorando
a paz do prato sujo

continua a agonia
do futuro

rezando em mim
como um relógio

Fabiano Calixto, Música Possível (São Paulo: Cosac Naify, 2006)


§


Quanto,

entre noites
melancólicas,
ruas sem saída,
dia após dia
piorando a ferida
aberta,
custou-me,
nuvens
perdidas,
passeios
só,
suor a contragosto,
frio,
no fundo do poço,
catarata cobrindo
o corpo
todo,
contas sem pagar,
falta de ar,
febre amarela,
febre de rato,
tifóide,
deixando de lado
o amor,
sopro
cosmo
humano,
disenteria
erros calculados,
a poesia?


Fabiano Calixto, Música Possível (São Paulo: Cosac Naify, 2006)


§


Obituário literário com figuras de gatos e ratos

os ratos roeram a vida dos poetas
– livres do peso das letras, os estetas

em outras esferas escreverão, pois,
no cavo, vácuo profundo, sem voz, à foice

(esta persiana a zerar o ar dos distraídos),
não mais poemas, já que lidos os labirintos,

nada mais resta, nada, nem a quem se
amar ou refutar, não esfria, nem aquece,

a luta com palavras já não faz parte de
paixões ou razões puras, nenhum alarde,

nada de metáforas, nenhuma metonímia
– a menina de lá não dá mesmo a mínima.

os ratos, rudes e arrogantes orates,
gorjeiam na goela os corpos dos vates

e, ainda assim, nas estantes, talhados,
ficam os poemas – como nos telhados

gatos de gostos e colmilhos afiados, à leitura
nasal do rastro dos ratos, vigiam venturas.

de um pulo a outro salto, uma gangue
de gatos retalha a noite com sangue

de restos de ratos que das tripas, as tropas
de versos, vazam as mais soberbas sopas.


Fabiano Calixto, Sangüínea (São Paulo: Editora 34, 2007)


.
.
.

4 comentários:

Fabiano Calixto disse...

Puxa, D., que bonito! Fiquei comovido. Obrigado amigo, muito obrigado. Calixto

reuben disse...

durante estes poucos anos em são paulo, "sangüínea" é um livro que carrego frequentemente, sempre que preciso percorrer longos panoramas, longas distâncias. ele é uma fábrica de paisagens, e de afinidades: tantos versos políticos (vc me entende) que gostaria de ter escrito, tantos versos cheios de imaginação.

Rosa Damasceno Paranhos disse...

Muito bom ! parabéns ao poeta Calixto ;))

Ricardo Domeneck disse...

Que bom que você gostou, meu querido Calixto!

Arquivo do blog